Herói ou vilão? À frente da Lava Jato, Sérgio Moro divide opiniões no Brasil

Por #aw informatica

Públicado em 21 de março

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) realiza audiência pública interativa para instruir o PLS 402/2015, que altera o Código de Processo Penal, em relação aos recursos. 

Em destaque, o juiz federal Sérgio Fernando Moro. 

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

De onde veio, quem é e o que pensa juiz que tem tirado o sono dos políticos.

De onde veio, quem é e o que pensa o juiz que está à frente da Operação Lava Jato? Na sexta-feira, Sérgio Moro retomou, por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, o comando do processo sobre o ex-presidente Lula.

De onde trabalha, ele ouve gritarem seu nome. E o barulho não vem só dali. Vem de quase todos os lugares do país. Seja para defender ou criticar suas decisões.

Mas, afinal, quem é Sérgio Fernando Moro? O juiz Sérgio Moro não dá entrevistas. Para ouvi-lo falar publicamente, só nas aulas da universidade ou em palestras.

“Existe já um barulho demais nesses últimos dias envolvendo a Operação Mãos Limpas, tenho visto manifestações”, comenta o juiz em uma palestra.

Mãos limpas, não, juiz. É Operação Lava Jato. O ato falho: Moro, descendente de italianos, se inspira numa das maiores investigações já realizadas no mundo político. Foi nos anos 90, na Itália. A Mãos Limpas investigou mais de cinco mil pessoas, inclusive políticos e grandes empresários.

Aqui, Moro já expediu 133 mandados de prisão, entre os presos também empresários e políticos sem mandato. A exceção do senador Delcídio do Amaral, mas que teve a prisão autorizada pelo Supremo Tribunal Federal. A atuação do juiz Moro na Lava Jato já recuperou para os cofres públicos R$ 2,9 bilhões. Mas os métodos dele também são questionados. Há quem diga que Moro faz o papel de investigador.

“Eu não acho que um magistrado deva aparecer tão como um cavaleiro solitário que vai resolver o problema da corrupção sozinho. Ultrapassa as funções de um juiz. A grandeza das funções de um juiz”, comenta João Carlos Castellar, do Instituto dos Advogados Brasileiros.

“Eu não tenho estratégia de investigação nenhuma. Quem investiga ou quem decide o que vai fazer é o Ministério Público e a polícia. Eu até me irrito as vezes. Vejo crítica um pouco infundada ao meu trabalho, dizendo que eu sou um juiz investigador”, comenta o juiz.

Longe da plateia, Moro segue uma rotina discreta, de horários regrados. Aparece quase sempre de preto. Sério. Um homem fechado.

O estilo reservado do juiz Sérgio Moro acabou virando uma marca de toda a equipe dele. Em duas salas são confeccionadas as decisões da Lava Jato desde o início da operação. Mas para passar da porta, só com a câmera desligada.

Do outro lado, está o juiz, formado na Universidade Estadual de Maringá e com especialização em Harvard. Já há muitos anos atuando contra crimes de lavagem de dinheiro, o titular da 13ª vara federal de Curitiba agora virou celebridade.

As manifestações de reconhecimento ao trabalho do juiz Sérgio Moro não ficam só nas ruas não. Todo dia chegam lá presentes pro Sérgio Moro. Tem toalha com o nome do Sérgio Moro bordado. Tem uma bandeira do Brasil. Ele recebe flores, cartas. Em uma delas, uma mulher agradece: “Muito obrigada, Sérgio Moro por tudo o que tem feito pelo nosso país”.

Mas Moro também desagrada a muitos. Quem o conheceu ainda jovem não podia imaginar que ele ficaria tão famoso.

Ao voltar ao passado, há mais de 20 anos, a gente chega a um escritório de advocacia, em Maringá. Foi lá que Moro começou a trabalhar, primeiro como estagiário. Depois como advogado até conseguir passar no concurso público para juiz federal. Na maior parte do tempo que trabalhou lá, dividiu sala com a advogada Carla Sakai.

Fantástico: Carla, como era Sérgio Moro aos 20 anos?

Carla: Sérgio era muito focado. Estudioso, não é muito diferente do Sergio que vemos hoje. Sempre buscando a carreira de juiz.

O ex-patrão lembra bem daquele garoto sério, calado. Sempre metido entre os livros.

Irivaldo: Ele tinha um paletó azul marinho e eu dizia: Sérgio, você está ficando com o paletó muito gasto de tanto trabalhar.

Fantástico: Quando o senhor olha pro juiz Sérgio Moro, o senhor olha pro juiz Sérgio Moro ou pro Sérgio Moro?

Responde: Eu lembro dele como estagiário e advogado aqui no escritório. A pessoa dele como juiz, eu respeito o que ele tem feito, mas eu não tenho muita ligação, muita intimidade com ele na parte que ele exerce o direito.

Mas é “o juiz Sérgio Moro”, que aos 44 anos, estampa as capas de jornal, levanta polêmicas e discussões país a fora, a cada esquina.

Mesmo na sua cidade natal, Maringá, no interior do Paraná, o juiz Sérgio Moro tem sofrido críticas e protestos em relação à forma como vem conduzindo seus trabalhos. Há pouco mais de uma semana, a Câmara Municipal fez uma sessão em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. A mãe de Sérgio Moro foi uma das homenageadas. Dona Odete Moro, de 70 anos, foi aplaudida, mas também teve que encarar fortes vaias.

Mais que vaias, Moro já recebeu ameaças. Precisou de escolta da Polícia Federal. Deixou de andar de bicicleta. A mulher e os dois filhos dele também tiveram a segurança reforçada.

A temperatura subiu ainda mais esta semana, depois que Moro retirou o sigilo da parte da investigação sobre ex-presidente Lula, no âmbito da Lava Jato. Entre as gravações, havia uma conversa de Lula com a presidente Dilma Rousseff. A reação foi forte.

“Em muitos lugares do mundo, quem grampear o presidente vai preso se não tiver autorização judicial da suprema corte”, declarou a presidente Dilma.

No meio jurídico, a atitude de Moro dividiu opiniões.

“Eu acho que ele deve sofrer um processo disciplinar. Até para demonstrar para o país que, assim como nenhum ex-presidente está acima da lei, também nenhum juiz está acima da lei”, afirma Ivar Hartmann, professor de Direito da FGV/Rio.

“Essa circunstância tem que se tornar pública. O cidadão brasileiro tem que conhecer aquilo que está acontecendo entre as autoridades do país”, diz Roberto Busato, ex-presidente nacional da OAB.

Herói? Vilão?

“Por um lado, vê-lo como vilão pode ser ruim porque deixa de reconhecer o importante trabalho que ele e outros juízes, outros promotores de Justiça fizeram e vem fazendo. Também não é positivo vê-lo como herói. Herói é uma figura infalível, uma figura que não está sujeita a erros. E ele como qualquer outra pessoa está sujeito a erros, eventualmente vai comete-los, talvez já até tenha cometido alguns”, aponta Michael Mohallem, professor de Direito da FGV/Rio.

“Nós temos que ter um otimismo em relação ao futuro. Com uma dose de ceticismo”, diz o juiz Moro.

O mesmo rosto nos dois lados da moeda. O rosto do homem que, com suas decisões, tem inflamado o país.

Fonte: Fantástico
Conteúdo original em: http://awinformaticastm.blogspot.com/2016/03/heroi-ou-vilao-frente-da-lava-jato.html

Título: aw informatica
Categoria: Blog
Editoria: Ciência e Tecnologia
TOP BLOG © Todos os direitos reservados.
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com