O que é o prêmio?
Quais são as categorias?
Indique um Blog
Regulamento
Login
Imprensa
Downloads
Política de uso
Privacidade
Fale Conosco
Dúvidas frequentes
Ajuda
Vencedores 2010
Evento 2010
Vencedores 2009
Evento 2009

Artes
Autos
Arquitetura
Celebridades
Ciência
Cinema
Cultura
Comunicação
Corporativos
Design
E-commerce
Economia
Educação
Empreendedorismo
Esportes
Estilo & Comportamento
Gadgets & Games
Gastronomia
Humor
Inovação
Ilustrações
Literatura
Marketing
Metrópole
Meio Ambiente
Mobile
Moda
Mídia Digital
Música
Política
Saúde
Sustentabilidade
Teatro
Tecnologia
TV & Seriados
Variedades
Religião
 
O poder da reconstrução
por Sílvia Vinhas em julho 23 , 2014 às 10:52 pm | Comente aqui.

Em junho de 2013, o Brasil parou. Adultos, crianças, jovens, trabalhadores, aposentados, gays, simpatizantes, ninguém ficou imune aos protestos por um Brasil melhor. Depois, várias tentativas, revoltas, vândalos, sem sucesso e o  “não vai ter Copa”, serviu mesmo para afugentar muitos turistas em 2014.

Os brasileiros, nós jornalistas, o mundo de certa forma, esperavam sim um início, uma mudança radical após a Copa ,mas parece que o Brasil está fechado na bolha do conformismo.

Até queremos mudar a política do país, demitir políticos corruptos, fechar de vez o impostômetro, nivelar a igualdade social, reformar hospitais, enfim, reconstruir. Mas falta engajamento, vontade de colocar a mão na massa, de arregaçar as mangas.

Tem momentos na vida que sabemos a importância da mudança, mas não como fazê-la. Estamos às vésperas de uma Olimpíada em casa e não aprendemos com os erros. O padrão Fifa virou pó e a realidade grita no transporte, na segurança, no respeito ao próximo, nem que seja na marra.

Mesmo emblemático, o 7 a 1 que levamos da Alemanha tem que servir para alguma coisa. Não dá pra ser destroçado, nem no campo, nem na vida e não transformar erro em caminho. Quando o novo técnico da seleção foi anunciado, não pensei nas vantagens e desvantagens desta escolha e sim na tristeza que é perceber o quanto nosso poder de reconstrução ainda está estagnado. Não aprendemos nada com a lição da Alemanha.

Queremos o novo mas não ousamos. Sofremos complexo de nação emergente e a síndrome de eterno país do futuro. Será que somos culpados?
Afinal, não passamos por guerras, conflitos, lutas, tsunamis ou furacões.
Como aprender a valorizar o que nunca sofremos?
Precisamos sim entender que não basta recolher a bandeira só quando perdemos o jogo.

Sou como Poliana, faço o jogo do contente na tentativa de sempre me posicionar de maneira positiva frente às adversidades, mas concordo com o Gato da Alice no país das Maravilhas: “para quem não sabe aonde vai, qualquer caminho serve”.



Sem maniqueísmo
por Sílvia Vinhas em julho 2 , 2014 às 11:42 pm | Comente aqui.

Os catastrofistas de plantão pulverizaram o pessimismo e o medo em tempos de Copa. O ufanismo brasileiro bateu de frente com previsões mais que negras, colocando em duvida e pautas, a capacidade do Brasil como anfitrião.

Bom descobrir que entre o céu e a terra, entre a realidade nua e crua do bem e do mal, tem nuances, tem sutilezas, e o meio termo abastece a vida na linha tênue das previsões precipitadas. Não é questão do bem e do mal, se a Copa foi boa ou não,  ressaltar agora quem tem razão, e sim entender o que está acontecendo com o Brasil.

Nunca vi o país tão lindo.

O Soft Power brasileiro na Copa é a bola da vez, um laboratório de experiências em algo imensurável como legado, a alegria. O poder suave brasileiro definiu nossa competência com a cultura, com as imagens, os sorrisos e a paciência, em oposição a balas perdidas e a violência.

A Copa humanizou as empresas e mexeu com o modo de administrar. Djs, massagistas, musica, churrasco, horários alternativos, tudo providenciado para que os funcionários curtissem os jogos da seleção.

O contestado padrão FIFA virou sinônimo de coisa bem feita. Já encontrei pela cidade cachorro quente padrão FIFA e até borracharia padrão FIFA. O brasileiro descobriu que pode ir além, ser mais, ter excelência e valoriza agora um novo padrão de entrega.

O Brasil aprendeu a olhar o turista, a admirar a extravagância das roupas, a respeitar as diferenças e a ter orgulho do que Deus nos deu. Evoluímos pelo amor e não pela dor.

E como descobrimos tudo isso?

A gente tem esse jeito quebrado, sem estrutura, a gente vai na contramão mesmo, sem saber o que fazer, mas somos assim. Não que a gente ache que está certo, mas esse é o nosso jeito de fazer as coisas. A vitória não foi dentro das quatro linhas, foi do povo e até da seleção. Demos um abraço em nós mesmos e estamos adorando ser protagonistas.

Como disse Pablo Neruda, “ É caminhando que se faz o caminho”.



Copa das surpresas?
por Sílvia Vinhas em junho 25 , 2014 às 8:44 pm | Comente aqui.

O esporte sempre ensina, seja ele qual for. Aprendemos no cruel equilíbrio da compensação, quando vivenciamos o valor da derrota no grito de vitória. Aprendemos a determinação, quando o resultado mostra  que nada, nada mesmo vem sem luta, sem raça, sem dor. Aprendemos que o objetivo alcançado nos custa muito trabalho, escolhas e renúncia. Aprendemos que é preciso driblar a vaidade do ego, da soberba e focar sempre na superação, seja em grupo ou sozinho, e que cada jogo é uma história que a gente sabe como começa, mas nunca como termina.

E assim é o futebol. Na Copa das surpresas, a explosão das torcidas e o amor mais que representado nas arquibancadas não mascara as origens e raízes. Mesmo hipnotizados pelas cores que se misturam nas arquibancadas, numa grande colcha de retalhos, a identidade de cada país se revela no grito, na raça, no fair play em campo, no poder de resiliência, no controle e descontrole emocional.

Na Copa onde não há segredos, vence o sangue frio ou o sangue latino que ferve a cada lance? O melhor futebol da Espanha não jogou, os ingleses desaprenderam, os italianos sofreram e a Costa Rica brilhou. O que podem dizer os analistas de plantão? Como fazer previsões se o inusitado, o inesperado, o lance duvidoso, o pênalti no ultimo minuto, podem mudar a história do jogo como vimos na classificação da Grécia frente a Costa do Marfim?

E o que dizer da garra do Chile, o show da Colômbia, a recuperação do Uruguai, os 100% da Argentina e a tradição do Brasil? As seleções latino-americanas já igualaram o melhor desempenho da história dos Mundiais. E vem mais por aí.

Cada jogo é uma história que ensina, corrige e alerta. Cada jogo exige ajustes, assim como na vida. Quando achamos que estamos no caminho certo, vem o inesperado e muda o rumo da história. É preciso se reinventar, sem previsões. Entender que a estratégia de jogo se faz com mudanças de percurso e adaptações.

Quem achar que já encontrou o caminho fique esperto. Na vida e no  futebol, não existe favorito nem jogo ganho…afinal, um gol pode mudar tudo.



PAUSA PARA A ALEGRIA
por Sílvia Vinhas em junho 16 , 2014 às 11:19 pm | Comente aqui.

No meio do caos, a pausa para respirar e torcer. Todos precisam de um respiro, de fortalecer o espírito com muitas risadas e vibrações positivas. No meio de confrontos que mais parecem guerras vazias, de quem atira para todos os lados quando não se tem o foco principal, pausa para fazer de conta que somos só um coração.

Quando entrei no expresso da Copa para assistir a abertura entre Brasil e Croácia, a sensação foi de encantamento. Bonito ver a tradicional estação da luz colorida de verde e amarelo, com o som vibrante do samba brasileiro.

Entre os gritos abafados pelas suntuosas arenas que agora brilham como holofotes para o mundo, a mistura de cores e culturas dá vida às principais capitais brasileiras. Como imaginar um Maracanã pintado com as cores da Argentina? Só numa Copa do Mundo isso é possível. Como tantas emoções que ainda teremos.

Não dá para ignorar a vibração pulsante do nacionalismo. Não podemos esquecer que muitas seleções, cada jogador está aqui representando não um time, mas o seu país. O planeta unido sem fronteiras, numa festa que pode ser contestada pela grandiosidade, mas deve ser respeitada pelo conceito.

Que bom seria se o espírito da Copa refletisse a realidade mundial! O esporte representado pelo futebol consegue anestesiar por 90 minutos nações sem relações bilaterais, sem conexões, num contraste de dogmas e culturas que se nivelam na hora do jogo.

Em termos de números e gols, pra quem gosta de futebol, essa já é a Copa das Copas. Então se desarme, relaxe, permita-se. Damos duro todos os dias, lutamos por ideais e tantas vezes nos violentamos nas nossas escolhas que merecemos um respiro. Sabe aquele momento de não pensar em nada, de só observar, nem que seja a alegria dos outros?

E quem sabe, se deixando levar um pouco pelas olas que divertem as torcidas você não encontre as respostas que precisa?



A estrela da festa
por Sílvia Vinhas em junho 4 , 2014 às 9:27 pm | Comente aqui.

Já faz tempo que a Copa do Mundo deixou de ser só futebol e envolve mais do que jogadores em campo e torcida fervorosa de milhões de pessoas.

O lado científico do esporte sempre se desenvolve com um torneio global, com novas pesquisas sobre diversos aspectos do jogo. Uma das mais analisadas pelos cientistas é a bola. As bolas das Copas recebem nome desde 1970. Tango na Argentina, Tricolore na França e Jabulani na África do Sul. No Mundial do Brasil é Brazuca.

Entre as curiosidades que cercam a produção, a bola oficial é produzida por um país sem tradição no futebol, o Paquistão. A seleção deles é a 159 no ranking da Fifa e não vem ao Mundial. Todo o processo para criar uma bola leva 40 minutos e a fábrica pode produzir 100 por hora. Cada modelo tem que passar por 80 testes diferentes, que medem do peso ao brilho. Elas também precisam sobreviver a 3500 impactos a 50 km/h e se adaptar a qualquer condição climática.

A Brazuca levou dois anos e meio para ser produzida. Foi testada em 10 países com 30 clubes e 600 jogadores, incluindo Messi e Gerrard. Os japoneses garantem que a Brazuca é mais estável e rápida do que a Jabulani, bola usada na Copa de 2010. As cores da bola brasileira simbolizam as pulseiras como as do Senhor do Bonfim.

Quando a bola rolar, toda essa tecnologia será esquecida. Vale o toque, a malandragem, a ilusão de quem parece que vai mais não vai. Do deslize sutil à agressividade certeira. Da esperança de quem lança à confiança de quem leva.

Vai depender do carinho, do choque com os pés, do encaixe exato na hora certa e no momento certo, aquele orientado e predestinado. Vai depender do merecimento, do trabalho e suor que banha o talento de quem é escolhido para finalizar o conjunto da obra. O gol.

Porque só balançando as redes a Brazuca da tecnologia ganha vida e se transforma na estrela da festa.



Para vencer em Roland Garros
por Sílvia Vinhas em maio 28 , 2014 às 7:28 pm | Comente aqui.

Um dos torneios de tênis mais charmosos do planeta está no ar. A cidade de Paris recebe nas próximas semanas os principais nomes, grandes ídolos e também novas promessas que sempre surpreendem. Lembro bem o clima e o cenário de sonho que vivi, paralelamente aos anseios brasileiros na Copa do Mundo de 98. Pelas ruas da capital francesa, a tietagem aos tenistas que badalavam por lá , muitas vezes superava as manifestações tímidas das torcidas de futebol. O requinte do povo francês combina mais com tênis, pode ter certeza. Mas nem por isso os mais fanáticos deixaram de comemorar o famoso “trois zero”, os três a zero na final contra a França que calou o Brasil. Lembro a euforia, os gritos e de tentar correr para o hotel. Com rosto pintado de verde e amarelo, na certeza da vitória, eu e o jornalista William Bonner tentávamos sair do Stade de France. Os torcedores franceses tomaram as ruas de Paris incendiando de alegria a Champs Élysées. Prova de que o amor ao futebol nasce e renasce, nivela classes sociais e rivaliza fronteiras  quando se é campeão.

O tênis está longe de ser um esporte popular, mas apaixona. E na expectativa por um bom desempenho brasileiro esbarramos em um processo de extrema importância: a maturação. Guga foi campeão de Roland Garros aos 22 anos, mas ainda não estava pronto. O grande erro na empolgação de resultados positivos é colocar os fenômenos como regra e assim, vivemos sempre a espera de um novo Guga. O comentarista de tênis do Bandsports Orlando Rosa, explica que o tenista só atinge o auge após os 25 anos, quando conquista o equilíbrio psicológico, físico e estratégico. Thomaz Bellucci está quase.  Cita também o 4º do mundo juvenil Orlando Luz como grande promessa se tiver consciência da importância do amadurecimento.

No futebol todos querem ser Neymar, mas quantos outros chegaram sem tanto alarde ao sucesso com maturidade e determinação?

Cobramos um novo Guga, mas esquecemos que  amadurecer é aprendizado cultural, e o Brasil, nesse quesito, ainda está engatinhando.



Donos da história
por Sílvia Vinhas em maio 21 , 2014 às 10:33 pm | Comente aqui.

Em 2010, a ansiedade dominava meus sentidos às vésperas do Mundial da Africa do Sul. As últimas notícias vindas de lá abalavam qualquer estrutura que se tratasse do universo feminino. Uma jornalista estava desaparecida, talvez vítima de estupros de uma tribo que , diziam, vagava pelo centro de Joanesburgo.

Nervosa com a informação, embarquei para mais uma cobertura de Copa do Mundo literalmente apavorada. Encontrei um país ainda despreparado e inacabado para receber um evento de grande porte. Era nítida a falta de infraestrutura. Voltei de lá encantada com o misticismo, a energia pulsante, a beleza das paisagens, a hospitalidade e carinho das pessoas. O medo deu lugar a uma grande admiração e orgulho por ter vivido essa experiência.

Numa projeção para a realidade que vivemos,  fico imaginando as jornalistas estrangeiras que preparam as malas para embarcar nessa grande viagem que será a Copa no Brasil. Protestos, estádios e aeroportos inacabados, insegurança nas ruas, nos hotéis…como conter a ansiedade?

Para aumentar ainda mais a angústia, não só das mulheres, mas também dos homens que aqui chegam seja para visitar, trabalhar, ou apenas curtir os jogos da Copa, imagens dos recentes protestos nas ruas, as greves, a violência, o descontrole, divulgam o medo e aflição. Não era para ter orgulho? Quando você convida alguém para ir a sua casa, se prepara, não? E que vergonha e constrangimento sentimos quando algo dá errado, não é?

O brasileiro não consegue conter a própria ansiedade. Tantos planos para a Copa, tanto orgulho do nosso futebol, tanta vontade de mostrar ao mundo que somos guerreiros, capazes, que estamos crescendo, nos tornando melhores…que nos perdemos. E pior, nos defendemos atacando.

No fundo temos vergonha de tanta baderna, e fingimos não ver o que incomoda. O grito vem de todos os lados, reais ou ensaiados, focados ou oportunistas, fiéis ou traidores, imaturos ou confiantes…Chegamos a um tal estado de insanidade que tem gente torcendo para o Brasil perder, pois quem sabe assim algo mude.

E onde está a maior mudança senão em nós mesmos? Em nave desgovernada qualquer caminho é um rumo. Está na hora de sermos donos da nossa história.



O que ganha jogo? Experiência ou juventude?
por Sílvia Vinhas em maio 14 , 2014 às 9:30 pm | Comente aqui.

A aposta no jovem está em todos os setores. O jovem chega com o frescor das ideias e dos músculos, cabeça ágil e reflexos precisos. O jovem abre espaço sem noção do perigo, sem medos ou recuos, com a impulsividade e impetuosidade como características latentes da pouca idade. A beleza da renovação nos dá esperança, muda conceitos e pensamentos. Afinal, aprendemos com os jovens todos os dias.

A renovação é sempre positiva, em qualquer área, em qualquer esporte. Assistimos no vôlei, no basquete, no tênis, no automobilismo essa mudança que acompanha a realidade. E os resultados são surpreendentes. Quando pensamos que já vimos tudo, quando um grande atleta já quebrou todos os recordes, quando acreditamos que todos os limites já foram atingidos, um novo recorde é batido, um novo craque brilha, conquistando o que nunca foi imaginado. Será que essa nova geração foi gerada nas galáxias? As crianças já nascem digitando e acompanham uma tecnologia acelerada. E no esporte não é diferente.

O segredo da vitória, em minha opinião, está justamente na mescla da juventude com a experiência. Os jovens precisam de espelhos, de ídolos, de um capitão, de comando, um norte a ser seguido, uma história, um incentivo, um elogio. Para o desenvolvimento de um grupo, esse equilíbrio da balança é fundamental no resultado.

Acompanhei atentamente as escalações das equipes para a Copa do Mundo. A seleção que mais apostou na experiência foi a Espanha. Já a Alemanha, uma das favoritas ao título, mesclou bem. O Brasil tem 70% de jogadores que nunca participaram de uma Copa e apenas 6 veteranos. Vários medalhões, que ainda estão na ativa e jogando bem, ficaram de fora, não só no Brasil. Algumas estrelas aproveitaram para comunicar a aposentadoria, outros simplesmente aceitaram que a hora de sair de cena sempre chega. Muitos foram até elogiados e homenageados, mas perderam para a lei maior da vida…a renovação.

Afinal, o que realmente ganha jogo? Experiência ou juventude?

Na hora do pênalti decisivo, no tie brake, no touchdown, na cesta, na reta final, o que conta mais?

Infelizmente essa resposta, nem os experientes…nem os jovens podem dar.



Que venha a Copa
por Sílvia Vinhas em maio 7 , 2014 às 9:27 pm | Comente aqui.

Com a convocação oficial de Felipão o Brasil finalmente dá o pontapé inicial para a Copa do Mundo. E que Copa será essa? A Copa das Copas como prega Dilma? Ou a Copa das surpresas?

A Copa é aqui, no Brasil, e o que se vê são torcedores meio que anestesiados, sem a menor emoção com a equipe que irá representar a nossa seleção. Um país descrente, que cada vez mais acorda para a realidade. Assistimos com tristeza e vergonha um evento que será entregue inacabado, com infraestrutura quase zero em algumas cidades sede. Até luz pode faltar. Queremos ser otimistas sim, mas as manchetes dos jornais não deixam. A população descobriu: a Copa dos bilhões não é nossa.

Afinal, o que está acontecendo com o país do futebol?

Pela primeira vez não há clamor popular. As principais estrelas jogam fora, respiram ares internacionais e acompanhamos seus desempenhos pela TV. Isso não invalida a Copa de Neymar. Lembram quando o Brasil pediu Ganso e Neymar em 2010? A ausência desses craques pode ter custado o título que Dunga não trouxe. Agora não. Felipão chamou quem tinha que chamar, em quem confia, sem contestação popular.

As turbinas começam a esquentar. Não tem mais volta. Falta pouco para sabermos o final dessa história que começa a ser escrita dia 12 de junho. Mais de 200 milhões de técnicos espalhados pelo Brasil poderão torcer, criticar, gritar, sorrir ou chorar.

Nosso amor pelo futebol continua o mesmo. Apenas aprendemos que fora das quatro linhas nosso país tem muito que evoluir. Ainda discutimos saneamento básico, ainda somos motivos de risos e deboches. Levamos puxões de orelha na organização, e passamos mico mundial. Um evento aqui seria a grande chance de irmos além da mediocridade e do eterno país do futuro. Pena.

Mas ainda temos o Futebol, não é mesmo?



Punição máxima
por Sílvia Vinhas em abril 30 , 2014 às 8:34 pm | Comente aqui.

A luta contra o racismo e preconceito racial , infelizmente, ainda faz parte do DNA da humanidade. Não vamos ser hipócritas. O racismo está impregnado na maior parte da população. Defendemos bandeiras, levantamos questionamentos, fazemos perguntas sem respostas, na linha imaginária e ao mesmo tempo visível do preconceito. Brancos se cercam de brancos, negros se blindam em guetos e em muitos lugares desse planeta, ainda se dividem, disputam espaços e semeiam guerras. Muitas vezes lutam entre si e  matam seus semelhantes numa cruel banalização da vida.

Em lugares supostamente evoluídos, como deveriam ser os Estados Unidos, o negro virou herói nacional. Como não se render ao talento incomparável nos esportes?  Você consegue imaginar o basquete sem eles?

O imbatível time dos sonhos do basquete americano é e sempre será o maior do mundo, os homens a serem batidos. Michael Jordan e Magic Johnson, que capitanearam uma geração inteira, são referências mundiais e já atingiram a divindade dos Deuses no Olimpo.

E de repente vem um senhor, um tal de Sterling, dono do Los Angeles Clippers e se acha no direito de barrar Magic Johnson? Ou pior, barrar a entrada de um negro em algum lugar na América?

A punição veio máxima. Multa de dois milhões de dólares  revertidos para uma instituição que luta contra o preconceito racial e expulsão do basquete pelo resto da vida. Os jogadores do time dele,  entraram com a camisa do avesso, e os torcedores revoltados pediram a cabeça do empresário.

Na Europa é pior.  Os europeus se rendem a jovens negros do futebol,garimpados a peso de ouro, mas não ao preconceito que ainda pulsa, vivo. Quantos jogadores sofrem xingamentos e agressões mesmo sendo ricos e aclamados?

Daniel Alves comeu a banana com tranquilidade, atitude que demonstra um amadurecimento conquistado após 11 anos  vivendo na Espanha. Foi protagonista de uma ação que não era dele,mas que por causa dele tornou-se campanha nacional.

Já se passaram cem anos desde que o atleta negro Jesse Owens desafiou Adolf Hitler. E a luta contra o preconceito racial continua.




 












Warning: mysql_fetch_assoc() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/topblog3/public_html/2012/blogs/wp-content/themes/topblog2010/sidebar.php on line 44

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/topblog3/public_html/2012/blogs/wp-content/themes/topblog2010/sidebar.php on line 154




Mande sua sugestão
Indique um Blog


   
Patrocinadores
Apoio Institucional
Redes Sociais



Apoio/Divulgação